You are currently viewing COMO CHEGUEI ATÉ AQUI…

COMO CHEGUEI ATÉ AQUI…

Cheguei na Espanha em 2010. Vim com a ideia fixa que deveria voltar ao Brasil, diga-se a minha vida no Brasil em 2 anos… Já se foram 13 anos desde esta época. Não conhecia nada da Espanha e achava que era um país sem nenhum glamour. Comparava com França, Inglaterra, Itália etc. E na verdade acabei cuspindo pra cima, pois descobri um país simplesmente maravilhoso, cheio de historia, com uma cultura diversificada e com isto acabei me apaixonando.

No começo, como toda mudança, não foi nada fácil. Não sabia o idioma, não conhecida ninguém e tinha medo de sair de casa sozinha. Marido no trabalho, filhos na escola e eu em casa sem fazer nada. Sim porque quando cheguei nem móvel tinha. O que fizemos ao princípio foi comprar um colchão para cada quarto, um jogo de pratos e talheres, algumas panelas, um sofá e uma TV. Ah, e um WII para as crianças. Chegamos em agosto e para que elas não ficassem muito tristes, pensamos que isto alegraria um pouco os dias delas aqui.

Trouxemos 12 malas sendo que duas se perderam e chegaram depois. É difícil pensar que sua vida cabe em 12 malas. Na verdade éramos 5 pessoas pois minha sogra veio conosco para ajudar neste começo.

O processo de expatriação do meu marido foi cheio de erros. Começando pela data da mudança. Chegamos aqui em agosto. E o que acontece em agosto neste país ? NADA !!!!! Ou seja, todo mundo sai de férias inclusive o proprietário da casa que havíamos alugado. Resultado, não tínhamos as chaves para entrar na casa que tinha um alarme que disparou assim que o chaveiro conseguiu abrir a porta.

Fora isto a questão dos nossos vistos foi um desastre total. Pela urgência que havia da transferência do meu marido aqui, trouxeram a todos nós sem nenhum visto para que tudo fosse arrumado “sobre la marcha” como dizem aqui. Isto significa que não poderíamos ficar aqui mais de 3 meses nesta situação. O meu visto e o das crianças dependia do dele. O dele demorou quase 3 meses para sair… E o que aconteceu? Nosso período de permanência aqui se esgotou e começou então uma verdadeira guerra entre a empresa do meu marido no Brasil, a empresa que fez o processo de expatriação que diga-se de passagem é especialista neste tema, e eu. Todos queriam que eu no meio do primeiro trimestre escolar, com meus filhos se adaptando, largasse tudo e voltasse ao Brasil. Queriam que eu ficasse ali esperando que nossos vistos saíssem. Claro que eu não aceitei. Sofri todo o tipo de pressão e ameaças tipo, se você não voltar e ficar ilegal no país, pode prejudicar seu marido fazendo com que ele perca o emprego… Foi deste nível pra baixo. Meu caso tomou proporções gigantescas a ponto de chegar a direção da Camargo Correa que na época era a dona da Alpargatas onde meu marido trabalhava. Com isto, as coisas melhoram pois esta empresa tem muitos contatos em consulados já que mandava executivos para vários países do mundo e meu visto saiu rapidamente. Tivemos apenas que voltar ao Brasil para que nossos passaportes fossem carimbados.

Este foi o primeiro semestre aqui. Vocês imaginam o que eu sentia já que NUNCA quis, estava odiando minha vida aqui e ainda tinha que brigar para proteger a adaptação dos meus filhos. Quando fomos convidados a viver na Espanha, não sabíamos nada sobre vistos deste país. Ou seja, se tinha uma empresa responsável por este processo, eles deveriam saber que eu e os meus filhos não poderíamos vir sem visto. Enfim, um horror de erros no princípio que só dificultou na adaptação.

Hoje depois de todo este horror na chegada, posso dizer com certeza como é importante esta preparação antes de vir. Se informe o máximo que você puder. Aprenda o idioma. Não venha como eu, sem saber de nada e no esquema, deixa a vida me levar. Passei muito mal aqui nos primeiros meses e muito pela minha falta de conhecimento. Muitos problemas poderiam ter sido evitados. E se precisar, fala comigo pois tenho certeza que a minha consultoria vai te ajudar neste começo. Afinal, são 13 anos aqui…

Um beijo !
Dani
daniela@brasileirasemmadrid.com
@brasileirasemmadrid

Deixe um comentário